DICAS PARA ARRASAR NA REDAÇÃO DO ENEM

E se o tema da Redação fosse relacionado com a desigualdade de gênero? Você iria encontrar a difícil tarefa de redigir um texto dissertativo-argumentativo em norma culta escrita da língua portuguesa, abordando esse tema de forma coesa e coerente. Difícil, porém é possível! Aqui iremos apresentar algumas dicas que podem te ajudar na construção de um texto rico. O tema assimetria de gênero tornou-se parte estrutural da cultura brasileira, muitas pessoas tratam a questão como normal e não problemática. A discussão acerca do assunto é recorrente e é provável que apareça na redação e nas questões do exame.

  • Primeiramente, você deve dominar a estrutura do texto dissertativo-argumentativo. Listaremos alguns links que podem te auxiliar na jornada rumo à nota 1000.
  • É importante que o aluno leia atentamente os textos norteadores e tenha uma ideia geral sobre a proposta do texto. Se organize e planeje o que você irá escrever.

Apresentaremos algumas informações que podem enriquecer as linhas de seu texto:

DADOS QUE PODEM EMBASAR SEUS ARGUMENTOS:

  • Segundo o Fórum Econômico Mundial que analisa a igualdade entre homens e mulheres em 144 países no ano de 2017 o Brasil ocupava a 90º posição caindo 11 posições após 10 anos de avanço. Observa-se retrocesso após um período de conquistas que são fruto de lutas sociais feministas.
  • O Brasil é marcado pela associação de papéis discriminatórios ao feminino, nessas condições é comum o feminicídio, nome dado ao assassinato de uma mulher pela condição de ser mulher. Em 2016, 4,6 mil mulheres foram assassinadas no Brasil, uma média de 12 homicídios por dia, segundo Atlas da violência 2017. É inaceitável que qualquer ser humano sofra algum tipo de violência devido ao seu gênero. O governo deve intervir com medidas para a diminuição desses índices assustadores de violência.
  • A sociedade apresenta comportamentos sutis ou explícitos que silenciam a violência sexual contra a mulher. O Brasil registrou 49,5 mil estupros em 2016, uma média de 135 casos por dia, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Esse crime é decorrente da percepção machista da mulher como um objeto passível de ser controlado.
  • O assédio esta muito presente no Brasil, segundo a pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 40% das entrevistadas disseram ter sido vítima de assédio, como comentários desrespeitosos ou cantadas na rua ou no trabalho. Cantada não é um elogio e na maioria dos casos pode ser compreendida como agressão.
  • As mulheres apresentam baixa representação política que é majoritariamente ocupada por homens. Cerca de 52% do eleitorado brasileiro é composto por mulheres, mas elas ocupam apenas 10% e 16% respectivamente, das 513 cadeiras da Câmara dos Deputados e dos 81 dos acentos do Senado Federal.
  • Em média os homens separam 10,5 horas semanais aos cuidados domésticos, as mulheres dedicam 18,1 horas essa atividade. As mulheres em muitos casos estão no mercado de trabalho e ainda são responsáveis pelos cuidados domésticos.
  • De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o nível de escolaridade da mulher é maior que o do homem em todas as etapas de estudos e em todas as faixas etárias. Entretanto, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2015, as mulheres recebem em média, 23,9% a menos que os homens. As mulheres ocupam apenas 37% dos cargos de direção e gerência. Nos comitês executivos de grandes empresas, elas são apenas 10%.

CITAÇÕES DE AUTORIDADES NO ASSUNTO:

Simone de Beauvoir (escritora, ativista política e feminista francesa):

  • “É pelo trabalho que a mulher vem diminuindo a distância que a separa do homem, somente o trabalho poderá garantir-lhe uma independência concreta.”
  • “Ninguém nasce mulher: torna-se mulher.”
  • “O opressor não seria tão forte se não tivesse cúmplices entre os próprios oprimidos.”

Chimamanda Ngozi Adichie (escritora nigeriana):

  • “Perdemos muito tempo ensinando as meninas a se preocupar com que os meninos pensam delas. Mas o oposto não acontece.”
  • “O problema da questão de gênero é que ela prescreve como devemos ser em vez de reconhecer como somos.”
  • “A meu ver, feminista é o homem ou mulher que diz: Sim, existe um problema de gênero ainda hoje e temos que resolvê-lo, temos que melhorar.”

Emma Watson (atriz e embaixadora da ONU Mulheres, nomeada em 2014):

  • “O feminismo é dar escolha às mulheres. Não é uma vara com a qual você deve bater nas mulheres. É liberdade, libertação, igualdade.”
  • “Se não se obriga um homem a acreditar que precisa ser agressivo, a mulher não será submissa. Se não ensina a um homem que tem de ser controlador, a mulher não será controlada. ”
  • “Mereço o mesmo respeito que homem, mas, lamentavelmente, não existe um país no mundo no qual todas as mulheres recebam esses direitos.”

Malala Yousafzai (jovem paquistanesa):

  • “A educação é o poder das mulheres.”
  • “Nós percebemos a importância de nossa voz quando somos silenciados.”

ALUSÕES HISTÓRICAS:

São inúmeras as alusões que podem ser utilizadas, ex.:

Revolução industrial: mulheres recebiam metade do salário de um homem.

Constituição federal de 1988: todos são iguais perante a lei e tem direito à igualdade, sem distinção de qualquer natureza.

Segunda Guerra Mundial: emancipação feminina: mulheres passavam a trabalhar nas fábricas porque seus maridos iam para a guerra.

Movimentos feministas: luta pelo direito do divórcio, aborto…

  • Desenvolvimento da pílula anticoncepcional em 1956 que facilitou a emancipação feminina e o empoderamento com o próprio corpo.
  • Desde a literatura barroca, século XXII, a figura feminina foi edificada quanto a um instrumento de sedução, na poesia ‘’À mesma Dona Ângela’’, o autor Gregório de Matos se refere a elas “Sois anjo, que me tenta e não me guarda”, “se a beleza hei de ver para matar-me com o pecado, antes olhos cegueis”.
  • Arlequina e Coringa: romantização da agressão.
  • Lei Maria da Penha.
  • Instauração do voto feminino em 1953 por Getúlio Vargas.
  • Mutilação da genital feminina durante ditadura militar e ainda acontece em países da África e do Oriente Médio.

Fonte de pesquisa, dicionário de alusões:

DICAS DE FILMES:

  • O sorriso de Mona lisa;
  • As sufragistas;
  • Preciosa;
  • Valente;
  • Frida;
  • A cor púrpura;
  • Tomboy;
  • Minha vida em cor de rosa.

DICAS DE MÚSICAS:

Muitas músicas brasileiras reforçam a cultura machista e o patriarcado. Para identificar algumas letras você pode visitar o site:

MMPB Música Machista Popular Brasileira

http://mmpb.com.br/

COMO MITIGAR AS ASSIMETRIAS ENTRE OS HOMENS E AS MULHERES:

As mulheres conquistaram espaços sociais, profissionais, culturais políticos que tradicionalmente eram reservados apenas aos homens. Porém, as mudanças culturais dos papéis sociais de homens e mulheres são lentas e não acompanham a transformação social que a mulher teve nas últimas décadas. Existe ainda um grande caminho a ser percorrido para a almejada igualdade entre gêneros.

NOSSA DICA É APOSTAR NA EDUCAÇÃO

A educação pode auxiliar na construção de uma sociedade marcada pela igualdade, disciplinas como a História são essenciais para a formação de um sujeito crítico e por meio dela podemos entender os mecanismos impulsores da desigualdade. Segundo Vianna (2015, p.3) a escola é “uma das instituições importantes de seleção, veiculação, reconhecimento ou negação de direitos”, um ambiente propício para “discutir e desconstruir os princípios hegemônicos que produzem as desigualdades/inferioridades e estereótipos” (RODRIGUES; BARRETO, 2013, p. 170).

Atenção! Você deve defender o seu ponto de vista, sem ferir os direitos humanos.

Esperamos que as dicas tenham sido úteis e que você arrase na redação.

10 Mitos sobre o Feminismo que ninguém deveria mais reproduzir


O feminismo é um movimento que tem despertado a curiosidade de cada vez mais mulheres e homens ao redor do mudo e, ainda que não seja um movimento recente, dúvidas e muitos mitos cercam o assunto. Tais mitos são ideias errôneas do feminismo e distorcem seu objetivo principal: lutar para que mulheres e homens tenham os mesmos direitos e oportunidades. Para te ajudar a entender mais sobre o tema, listamos e explicamos os comentários mais comuns sobre a luta das mulheres por igualdade de direitos.Vamos aos esclarecimentos:

1- O feminismo favorece somente as mulheres?

Não. Como já dissemos, o feminismo é um movimento que busca igualdade, ou seja, nem homens nem mulheres devem estar presos a estereótipos de gêneros. Por exemplo, a menina não precisa ser ensinada desde pequena a gostar de bonecas, tarefas domésticas e da cor rosa, assim como os meninos não precisam gostar apenas de azul, brincar com carrinhos e engolir o choro.

2- Feministas odeiam homens?

Ao contrário deste pensamento, muitas são casadas, namoram e levam uma vida normal, afinal, exigir direitos iguais não é nada absurdo.

As feministas defendem causas como salários iguais, direito de ocupar os mesmos cargos nas empresas, esposas poderem trabalhar, não sendo obrigadas a cuidar da casa e dos filhos sozinha e etc. A luta não é contra os homens mas contra a desigualdade. Inclusive, homens são muito bem vindos à causa, a ajuda deles é muito importante para que alcancemos ainda mais pessoas com o discurso de equidade.

3- Donas de casa não podem ser feministas?

De acordo com o feminismo, a mulher pode ser exatamente o que ela quiser e isso significa que ela não vai ser mais ou menos feminista se estiver fazendo as tarefas de casa. Algumas mulheres preferem dar mais atenção à casa e aos filhos, mas isso deve ser uma escolha delas, não uma imposição masculina.

4- Feministas não são vaidosas?

Para deixar claro mais uma vez: o feminismo prega a liberdade de escolha. então, segundo o movimento, mulheres podem fazer do corpo e da vida o que elas bem entenderem. Passar maquiagem, fazer depilação e usar roupas curtas, por exemplo, são questões de escolha. O importante é se sentir bem.

5- Feminismo é o “machismo” das mulheres?


De modo algum. Enquanto o machismo é o comportamento expresso por opiniões e atitudes, de alguém que recusa a igualdade de direitos e deveres entre os gêneros sexuais, favorecendo o sexo masculino, o feminismo luta por direitos iguais. São ideias completamente diferentes. Lembre-se: o feminismo luta pela igualdade.

6- Feminismo é uma espécie de ditadura?

Não. O feminismo não obrigada ninguém a nada, muito menos utiliza força e medo como forma de convencer alguém sobre seus conceitos. Feminismo não tem nada a ver com opressão, mas com liberdade.

7- Feministas não deixam o homem pagar a conta ou abrir a porta do carro?

Aceitar gentilezas também não faz uma pessoa mais ou menos feminista. A questão é não acreditar que isso é uma obrigação do homem, mas que qualquer pessoa pode fazer uma gentileza para outra, independentemente de gênero.

8- Para ser feminista é preciso ser ativista?


Apenas o fato de concordar com as ideias da causa e praticá-las já faz de alguém uma feminista. Mas, não, não é preciso estar nas ruas para provar isso.

9. Feministas são lésbicas?

Há quem afirme que as feministas são todas lésbicas. Posicionamento político e orientação sexual são coisas totalmente diferentes. O feminismo é o posicionamento político daquelas que defendem a igualdade entre homens e mulheres. Ser lésbica é apenas uma entre as orientações sexuais que uma mulher pode ter — e isso diz respeito somente a ela. Existem feministas lésbicas? Sim. Mas também existem feministas hétero, trans…

10. Feminismo é ‘mimimi’ ?


Feminismo é um assunto sério. É graças a ele que as mulheres têm reduzido, ano a ano, as desigualdades de gênero. A conquista do direito ao voto, do direito ao trabalho, a independência econômica, a participação política, o divórcio e a guarda dos filhos: tudo isso é fruto da luta feminista.

Segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em 2017, foram registrados mais de 60 mil estupros no Brasil. A polícia estima que apenas 10% desse tipo de crime seja comunicado às autoridades. Ou seja, os números reais são bem maiores. E uma das bandeiras mais importantes do feminismo é o fim da violência contra a mulher. Entendem por que não se trata de mimimi?

Referências:

O Globo: https://oglobo.globo.com

Jovem Pan: https://www.google.com/amp/s/blog.jovempan.com.br/mulheresdapan/5-mitos-sobre-o-feminismo/amp/

Eu Sem Fronteiras: https://www.eusemfronteiras.com.br/mitos-sobre-feminismo-que-precisam-ser-desconstruidos/

MULHERES MARCANTES: protagonismo na luta para transformação de sua própria condição social

A desigualdade pode ser representada por um imenso abismo entre pessoas com características distintas. O tempo torna cada vez maior esse abismo de separação entre pessoas, gerando discriminação, preconceito e grande discrepância econômica entre cidadãos. As assimetrias de gênero nas relações de poder perpassam por diversas gerações definindo os papéis de cada gênero na sociedade e, como consequências ainda hoje existem alguns resquícios dessa definição machista e patriarcal. Entretanto, o movimento feminista luta contra a violência de gênero e busca promover a igualdade de direitos e condições sociais entre homens e mulheres. O movimento apresenta diversas personalidades extremamente marcantes, mulheres que desconstroem o patriarcado e tornam a sociedade mais harmônica e justa. Aqui vamos destacar algumas mulheres que através de suas lutas tornaram-se pontes, que diminuíram a grande distância entre gêneros no abismo social.

Simone de Beauvoir (1908-1986): “Que nada nos defina. Que nada nos sujeite. Que a liberdade seja a nossa própria substância”. Foi escritora, filósofa, memorialista e personalidade da pauta feminista. Representante do pensamento existencialista francês e ligada a diversos movimentos sociais. Realizou viagens para diversos países, entre eles, China (1955), Cuba e Brasil (1960) e União Soviética. Em 1971, assumiu a direção da revista política, literária e filosófica de extrema esquerda, “Les Temps Modernes”. Escreveu diversas obras literárias, as principais são:

  • A Convidada (1943);
  • O Sangue dos Outros (1945);
  • O Segundo Sexo (1949);
  • Os Mandarins (1954);
  • Memórias de uma moça bem-comportada (1958);
  • A Mulher Desiludida (1967).

Uma de suas principais teses era a de a inserção da mulher no mundo do trabalho diminuiria a distância entre o homem e a mulher. Ela dedicou-se a luta contra o sistema patriarcal e buscou afirmar a liberdade e independência feminina.

Eva Perón (1919-1952): a mulher que abriu as portas da política às mulheres da argentina. Primeira-dama da Argentina durante o primeiro mandato do presidente Juan Domingo Perón. Assumiu a Secretaria do Trabalho e criou a Fundação Eva Perón, trabalhando na proteção de crianças, mulheres e idosos. Em 1949, fundou o Partido Peronista Feminino e promoveu a melhor integração da mulher no mercado de trabalho. Eva faleceu em Buenos Aires, Argentina, no dia 26 de julho de 1952. Sua trajetória foi marcada por intervenções que possibilitaram melhores condições de vida para as pessoas e principalmente paras as mulheres argentinas.

Amelia Jenks Bloomer (1818 – 1894): ativista do direito das mulheres e ficou conhecida por introduzir o uso de calças no vestuário feminino. As mulheres da época já trabalhavam em fábricas e no campo, mas o vestuário era composto por saias e vestidos. Isso não agradava Bloomer e outras militantes, pois o traje feminino não era adequado aos novos desejos e necessidades. Elas queriam usar calças, peça que diferenciava homens de mulheres. Foi pioneira na iniciativa do questionamento sobre a condição social feminina e primeira mulher a possuir, operar e editar um veículo de notícias para mulheres.

Amelia Jenks Bloomer
https://ohiohistorycentral.org/w/Amelia_J._Bloomer

Maria da Penha: representou a luta contra a violência física e psicológica sofrida por mulheres. É uma cearense formada em farmácia, mãe de três filhos e hoje é líder de movimentos de defesa dos direitos das mulheres. Sua história é marcada por agressões de seu ex. marido, ela ficou paraplégica por conta da violência sofrida (1983). Após muita luta o seu agressor foi condenado em outubro de 2002, apenas seis meses para que o crime fosse prescrito. O homem cumpriu parte da pena e foi solto em 2004. Em 7 de agosto de 2006 foi sancionada a lei que recebe seu nome: Lei Maria da Penha. A lei possui importante papel no cenário social brasileiro que é impregnado pela cultura da violência. Maria da Penha é fundadora do Instituto Maria da Penha, uma ONG que pretende diminuir os casos de violência contras as mulheres e também é coordenadora de estudos da Associação de Estudos, Pesquisas e Publicações da Associação de Parentes e Amigos de Vítimas de Violência (APAVV), no Ceará.

http://www.institutomariadapenha.org.br/quem-e-maria-da-penha.html
Maria da Penha
http://www.institutomariadapenha.org.br/quem-e-maria-da-penha.html

Ella Baker (1903–1986): defensora dos direitos civis e dos direitos humanos e foi importante para a organização de diversos movimentos, por mais de 50 anos. Era crítica da profissionalização da liderança política carismática e atuava na organização de base. Era defensora de uma democracia radical, defendendo que os oprimidos possuem capacidade de entender o mundo e falar por si mesmos. É conhecida por suas críticas ao racismo americano, sexismo e ao clarismo dentro dos próprios movimentos sociais. Ela trabalhou com os principais líderes do movimento por direitos civis do século XX e foi mentora de muitos ativistas.

Ella Baker
https://time.com/4633460/mlk-day-ella-baker/

Apresentamos 5 mulheres que mudaram a sua própria realidade e impactaram positivamente na vida de outras pessoas. Poderíamos citar e contar a história de tantas outras, felizmente o movimento feminista tem como protagonistas incontáveis mulheres. Você também pode fazer parte desta luta! A luta contra a desigualdade entre gêneros não deve ser travada apenas por mulheres, a assimetria afeta toda a sociedade. É dever de todo cidadão trabalhar para a obtenção de uma sociedade justa para todos. A luta não acabou! Mulheres merecem estar onde quiserem! Toda construção social pode ser desconstruída e você pode contribuir para isso.

Referência:

Conheça 13 personalidades que marcaram a história de luta das mulheres. Disponível em:<http://sindipetro.org/2018/03/08/conheca-13-personalidades-que-marcaram-historia-de-luta-das-mulheres/>. Acesso em: 28 de setembro de 2019.

Igualdade De Gênero e Feminismo

Histórico das conquistas femininas

https://uxdesign.blog.br/empatia-e-feminismo-b8e94b17c2ba

Nosso assunto da vez é o feminismo e suas conquistas. Talvez alguém aí se pergunte, por que escolhemos esse tema? Atualmente as pessoas têm desvalorizado ou confundido muito o sentido do feminismo fazendo assim com que esse movimento tão importante se pareça com algo banal mas,  depois desse post, nós do Projeto Atualidades esperamos que vocês entendam que foi o feminismo que deu vez as mulheres, trouxe voz e a noção de liberdade que as mulheres têm hoje em dia.

O feminismo existe já a muitos séculos, tendo vários movimentos importantes que deram vez as mulheres na história. Cada movimento feminista trouxe consigo a ideia de igualdade de gênero pois isso é o que o feminismo prega.

A chamada primeira onda do feminismo aconteceu a partir das últimas décadas do século XIX, quando as mulheres, primeiramente da Inglaterra organizaram-se para lutar por seus direitos, sendo que o primeiro a ser popularizado foi o direito ao voto. As Sufragetes, como ficaram conhecidas fizeram várias manifestações em Londres e foram presas diversas vezes acredita que elas fizeram ate mesmo greves de fome? Pois é. O direito ao voto foi conquistado no Reino Unido em 1918.

https://uxdesign.blog.br/empatia-e-feminismo-b8e94b17c2ba

No Brasil as sufragetes foram lideradas por Bertha Lutz, que foi uma luz para o feminismo no país.

Principais conquistas femininas no Brasil

https://blogueirasfeministas.com/2017/09/13/jogo-digital-educativo-e-feminista-lutas-e-conquistas-femininas/

1827

Meninas são liberadas para frequentarem escolas e colégio, essa foi a primeira grande conquista feminista pois, as meninas eram proibidas de estudarem além do primário simplesmente por não serem meninos, imaginem hoje uma pessoa não poder estudar por causa do seu sexo parece algo absurdo não é mesmo? Mas era algo bastante comum na época, pois a sociedade tinha o costume de acreditar que as mulheres eram mais frágeis e menos capazes.

1832

É publicado “Direito das mulheres e injustiça dos homens”, de Nísia Floresta O livro é considerado o “fundador” do feminismo Brasileiro . Na obra a autora reforça a capacidade da mulher e o quanto elas são importantes e merecem o direito de igualdade de gênero pois também são espertas e capazes de exercer diversas funções pois o sexo não influência na capacidade intelectual de cada ser.

https://pt.scribd.com/document/371946538/Floresta-Nisia-Direitos-das-Mulheres-e-Injustica-dos-Homens-capa-pdf

1852

O primeiro Jornal feminino é criado, totalmente editado por mulheres e direcionado a elas, surgiu o Jornal das Senhoras que reafirmam o poder feminino e mostram que as mulheres não deveriam aprender simplesmente a tocar piano, bordado e costura pois elas podem conquistar o mundo. Depois disso outros jornais femininos como O Bello Sexo e O sexo Feminino também apareceram.

https://www.slideshare.net/arquimedesferreira/o-jornal-das-senhoras-1852

1879

Mulheres podem ser aceitas em faculdades,no dia 19 de abril, um decreto de lei permitiu que mulheres pudessem cursar o ensino superior, assim como já acontecia com os homens. Apesar de estarem dentro da legalidade, muitas enfrentaram preconceito ao ingressar em universidades.

1887

 Surge a primeira médica brasileira; Rita Lobato Freitas foi a primeira mulher a se formar em medicina no Brasil, pela Faculdade de Medicina da Bahia, além de ser a segunda na América Latina. Mesmo com a lei permitindo o ingresso de mulheres na faculdade, Rita sofreu muito preconceito de pessoas que ainda achavam que estudar era uma rebeldia, “coisa de menino”. Sua tese na conclusão do curso também foi centrada no feminino: a operação cesariana. Ela foi espelho para diversas mulheres que pensavam em desistir por causa do sexo.

https://www.traca.com.br/livro/743748/

1910

É criado o Partido Republicano Feminino, o partido reivindicava o direto ao voto e à emancipação feminina. Mais tarde, em 1917, as lideranças desse partido organizaram uma marcha com a presença de noventa mulheres. Isso foi um enorme avanço pois uma mulher na política era algo bastante incomum e que mostrou o empoderamento feminino.

1921

Ocorre o primeiro jogo de futebol entre mulheres, a primeira partida de futebol feminino aconteceu em 1921, entre mulheres dos bairros de Tremembé e Cantareira, na zona norte de São Paulo. O jogo chegou a ser noticiado por jornais impressos da época como uma coisa “curiosa e cômica”. O primeiro time só surgiu em 1958, com o nome de Araguari Atlético Clube, em Minas Gerais, o futebol era considerado um esporte masculino por envolver força física assim quando mulheres começaram a jogar foi uma grande surpresa para a sociedade.

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/06/12/deportes/1560358431_699052.html

1928

Primeira prefeita brasileira é eleita, quando ainda nem existia o voto feminino, Alzira Soriano de Souza abriu espaço para as mulheres na política. Ela foi a primeira mulher a assumir o governo de uma cidade não apenas no Brasil, mas na América Latina inteira.

1932

 Maria Lenk se torna a primeira mulher a participar das Olimpíadas. A primeira participação do Brasil nos Jogos Olímpicos aconteceu em 1920, mas apenas 12 anos depois, em 1932, houve uma atleta feminina na equipe: a nadadora Maria Lenk, isso demonstra o quanto o país demorou para aceitar a participação feminina.

1934

Mulheres conquistam o direito de votar; Somente em 1934 o voto feminino passa a ser regulamentado no país, para mulheres de todas as rendas, origens ou estado civil. Dois anos antes, em 1932, solteiras e viúvas com renda própria e mulheres casadas com permissão do marido podiam votar.


Bertha Lutz: responsável pela organização do movimento sufragista no Brasil e pelas ações políticas que resultaram no direto de voto feminino. Assumiu uma cadeira na Câmara Federal e lutou por mais igualdade de direitos políticos às mulheres.
Miêtta Santiago: foi a primeira mulher a exercer plenamente seus direitos políticos, após perceber que a proibição do voto feminino contrariava um artigo da Constituição.

1962

É criado o Estatuto da Mulher Casada. Em 27 de agosto, a Lei nº 4.212/1962 permitiu que mulheres casadas não precisassem mais da autorização do marido para trabalhar.Hoje para nós sera bem estranho né? Imagina ter que pedir seu companheiro para trabalhar e ser livre. A partir de então, elas também passariam a ter direito à herança e a chance de pedir a guarda dos filhos em casos de separação. No mesmo ano, a pílula anticoncepcional chegou ao Brasil. Apesar de ser um método contraceptivo bastante polêmico, por mexer com hormônios, não dá para negar que o medicamento trouxe autonomia à mulher e iniciou uma discussão importantíssima sobre a liberdade sexual feminina pois foi a partir daí que as mulheres puderam ter maior liberdade sobre a escolha de ter ou não filhos.

1977

Lei do Divórcio é aprovada. No dia 26 de dezembro, a Lei nº 6.515 foi sancionada e iniciou uma discussão sobre a separação. Vale lembrar que mulheres desquitadas eram vistas com maus olhos por muitas pessoas, inclusive por outras mulheres, que preferiam viver casamentos infelizes e abusivos a pedirem o divórcio. Mesmo que a lei tenha mudado, na prática, o julgamento continuou. Até hoje muita gente acha “feio” quando uma mulher se separa, mas não julga os homens divorciados. Pois o machismo ainda está impregnado na sociedade não é mesmo?
.

1979

Mulheres são autorizadas a praticar qualquer esporte. Parece estranho pensar que, antes disso, as mulheres não podiam praticar esportes “de menino”. Mas daí lembramos que ainda hoje atletas sofrem preconceito em muitas modalidades e tudo faz sentido. Em 1937, o Estado Novo de Getúlio Vargas decretou que mulheres só podiam praticar esportes que condissessem com suas condições físicas. Lutas, futebol, polo, beisebol e halterofilismo estavam expressamente proibidos. Em 1979, quatro mulheres se inscreveram com nomes masculinos no Campeonato Sul Americano de Judô e o Brasil conquistou o título devido justamente aos pontos dessas atletas. Foi aí que o Governo decidiu revogar a Lei.

1980

Forças Armadas passa a aceitar também mulheres. Mais uma profissão que até então era vista como masculina. Dois anos depois, em 1982, a Força Aérea passou a aceitar mulheres e, em 1992, foi a vez do Exército Brasileiro.

1985

Surge a primeira Delegacia da Mulher; A DEAM (Delegacia de Atendimento Especializado à Mulher ) surge em São Paulo e, logo depois, outras unidades começam a ser implantadas em outros estados. Essas unidades especializadas da Polícia Civil realizam, essencialmente, ações de proteção e investigação dos crimes de violência doméstica e violência sexual contra as mulheres.

1988

Ocorre o primeiro encontro nacional de mulheres negras
Estima-se que 450 negras reuniram-se para promover debates e seminários em vários estados brasileiros, a fim de conscientizar a população e trazer à tona questões do feminismo negro. No mesmo ano, aconteceu a mobilização que ficou conhecida como Lobby do Batom. A questão em pauta era a igualdade formal de direitos entre mulheres e homens na Constituição Federal do Brasil. #NãoTiraOBatomVermelho

2002

“Falta de virgindade” deixa de ser crime
Louco pensar que foi só nesse ano que o Código Civil retirou o artigo que dizia que um homem podia pedir a anulação do casamento caso descobrisse que a esposa não era virgem. Até então, a virgindade feminina, ou a falta dela, no caso, era tratada como crime e uma justificativa plausível para divórcios sendo que para o homem isso nunca ocorreu. Foi também em 2002 que aconteceu o 1º Encontro das Mulheres Indígenas da Amazônia Brasileira em Manaus. O principal objetivo da mobilização era discutir os direitos das mulheres indígenas e promover a maior inserção delas na sociedade. O Departamento de Mulheres Indígenas, que defende os direitos e interesse dessa população feminina, foi criado durante o encontro.

2006

É criada a Lei Maria da Penha
Definitivamente, essa é uma das conquistas mais importantes para as mulheres brasileiras. A Lei nº 11.340 foi sancionada para combater a violência contra a mulher.
Maria da Penha: a farmacêutica, que dá nome à lei, precisou sofrer duas tentativas de homicídio e lutar durante quase 20 anos para, enfim, conseguir colocar seu marido criminoso na cadeia. Foi em 1983 que ela sofreu o primeiro ataque de Marco, que atirou em Maria. Apenas 23 anos depois uma lei de proteção foi criada.

2010

É eleita a primeira mulher Presidente do Brasil
A eleição de Dilma Rousseff, no dia 31 de outubro, e a convocação de nove mulheres para os ministérios do país marcou história na política brasileira. por ser mulher Dilma sofreu muito ao se candidatar como presidenta e mesmo quando pegou o cargo continuou sofrendo preconceitos e sendo julgada por acreditarem que ela era “menos capaz” no Brasil há um documentário chamado “democracia em vertigem” que retrata essa parte e mostra que Dilma pode ter sofrido impeachment por ser mulher.

https://twitter.com/dilmabr

2011

Marcha das Vadias chega ao Brasil
O movimento feminista conhecido internacionalmente chega ao país e é marcado por manifestações e luta das mulheres por mais direitos, respeito e contra o feminicídio, em São Paulo. Ela foi o estopim para diversos protestos organizados que aconteceriam nos anos seguintes.

http://www.justificando.com/2018/09/03/manifestante-da-marcha-das-vadias-condenada-por-ato-obsceno-tem-acesso-ao-stf-negado/

2013

Kathryn Bigelow é a 1ª mulher a ganhar Oscar de Melhor Direção; A cineasta, que levou o prêmio pelo filme Guerra ao Terror, foi apenas a 4ª mulher na história da premiação a ser indicada nessa categoria.

2015

É aprovada a Lei do Feminicídio; No dia 9 de março, a Lei nº 13.104 finalmente classifica o feminicídio como crime de homicídio. Vale lembrar que, três anos após a criação da lei, o número de casos de mulheres mortas no Brasil só cresce e as garotas negras ainda são as maiores vítimas. Entretanto, é inegável que a Lei do Feminicídio representa uma grande conquista das mulheres e para as mulheres na busca por direitos.

2016:

Viola Davis é a primeira mulher negra a ganhar um Emmy; Em discurso icônico de momento história, a atriz e produtora disse que tinha sempre a sensação de tentar, tentar, mas nunca alcançar as mulheres brancas, principalmente no meio cinematográfico. “Na minha mente, eu vejo uma linha. E depois dessa linha, eu vejo campos verdes e lindas flores e bonitas mulheres brancas com seus braços estendidos em minha direção, para além dessa linha. Mas eu não sei como alcançá-las. Eu não sei como atravessar a linha(…) Me deixem dizer algo: a única coisa que separa mulheres negras de quaisquer outras mulheres é a oportunidade”, falou.

2018

Pessoas trans podem alterar seus nomes indo apenas ao cartório; No dia 1º de março, o STF (Supremo Tribunal Federal) aprovou que transexuais e transgêneros alterassem o nome biológico e o gênero indo apenas ao cartório, sem precisar mostrar laudos médicos, comprovações de cirurgias ou terapias hormonais.

2019:

Primeira jornalista negra a ocupar a bancada do Jornal Nacional; No dia 16 de fevereiro de 2019, Maria Júlia Coutinho se tornou a primeira mulher negra a integrar o time de apresentadoras do maior jornal da televisão brasileira, fazendo parte do rodízio de jornalistas em finais de semana e feriados.

2019

Primeiras mulheres negras a receberem o Oscar nas categorias de Melhor Figurino e Melhor Design de Produção
Ruth E. Carter e Hannah Beachler fizeram história na cerimônia do Oscar 2019 ao receberem os prêmios de Melhor Figurino e Melhor Design de Produção, respectivamente. Ambos vieram através de seus trabalhos no filme Pantera Negra.

Foram muitos anos de luta e reivindicações. Houveram mortes e torturas para que todos os direitos das mulheres fossem exercidos hoje. Então queremos deixar bem claro que o feminismo foi crucial para que mulheres pudessem conquistar seus direitos básicos como, por exemplo,  ter o direito a estudar, trabalhar,  jogar futebol, liderar projetos e empresas ou escrever sobre temas abertamente em um blog. E tenho a felicidade de dizer que todas as matérias desse blog são feitas por meninas.  Apesar de termos tido avanços ( o que é maravilhoso),  o Brasil ainda é um país machista. Mas todos (homens e mulheres) podem ajudar a reverter esse cenário. Pois, como disse Emma Watson,  não podemos mudar o mundo apenas com a metade dele. Por isso, te convidamos a se inteirar sobre o tema. Não importa a sua cor, status ou orientação sexual, se você quiser ajudar será bem vindo. Todos em prol da equidade, lutando por um mundo melhor.

Referências :

Guia do estudante: https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/atualidades-vestibular/como-as-mulheres-conseguiram-o-direito-ao-voto/

Capricho: https://capricho.abril.com.br/vida-real/a-linha-do-tempo-do-feminismo-no-brasil-de-1827-a-2019/

Migalhas: https://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI274136,51045-Cidadania+da+mulher+a+conquista+historica+do+voto+feminino+no+Brasil

Ataques a escolas

Continuando com o assunto terrorismo

E o perfil dos terroristas?

http://www.upsa.com.br/2014/05/30/espaco-do-morador-2/duvida/

Não há um perfil específico para os infratores, mas todos eles têm algum tipo de problema mental. Na sua maioria esses infratores são jovens, homens que tem grande dificuldade em se inserir na sociedade e dessa forma começam a juntar certo rancor pelas pessoas ao seu redor. Normalmente, essas pessoas não apresentam problemas com a justiça ou se mostraram violentas até então. Junto com a exclusão vêm a necessidade de reconhecimento social.  Assim, no ato do ataque, visam um pequeno momento de “triunfo”.

Causa dos ataques

Não dá para saber o que se passa na cabeça de um terrorista, mas podemos afirmar que são pessoas que sofreram socialmente com exclusões, com uma rede de apoio fraca e que normalmente já têm algum problema psicológico, também é muito comum ocorrer porque o terrorista quer aparecer e ser exaltado nas redes por sua coragem, também tem a questão de querer demonstrar a masculinidade que lhe foi incitada desde a infância, como a maior parte são homens adolescentes. A adolescência é uma fase de grandes frustrações, choros, decepções, rejeições, fraquezas e para um adolescente que cresceu em uma família patriarcal machista é muito difícil aceitar isso dessa forma ele se nega e quer mostrar sua “masculinidade” assim se tornando agressivos,

 Também há a questão da Deep web que é um site onde pessoas incitam ódio em anonimato e demonstram violência de todas as formas essa rede incentiva  pessoas a cometerem ataques e exalta aqueles que o fazem.  

Histórico dos massacres

Aqui vamos citar os principais ataques em escolas:

Brasil

Suzano-SP

Ocorreu em 2019, dois jovens entraram na Escola Estadual Raul Brasil mataram 7 pessoas e depois o mais velho matou o mais novo e cometeu suicídio, antes disso eles tinham entrado em uma loja de automóveis do tio do atirador mais jovem onde roubaram um carro e deram 3 tiros no dono da loja que morreu no hospital. Saíram 11 feridos. De acordo com investigações da polícia o massacre estava sendo planejado a mais de um ano. Não encontraram o motivo real do ataque, mas de acordo com pesquisas os garotos eram apaixonados por armas e um deles avia sido expulso da escola há um tempo. Depois do ataque várias pessoas da extrema direita comemoraram o ataque na deep web sem serem reconhecidas.

Realengo-RJ

Em 2011 um homem de 23 anos entrou em uma escola da zona leste do Rio e atirou contra alunos em salas de aulas cheias, ele foi atingido pela policia e depois suicidou. Onze crianças morreram e 13 ficaram feridas, todos tinham a idade entre 12 e 14 anos. De acordo com á policia, ele já tinha estudado na escola antes. O atirador escreveu uma carta e deixou dois vídeos explicando o massacre. De acordo com ele, o massacre foi uma forma de “justiça” e nos vídeos ele incentiva outras pessoas o seguirem e se rebelarem contra os que se acham mais fortes. De acordo com a policia ele não tinha antecedentes criminais.

Estados Unidos

Parkland- Flórida

Em 2018 um ex aluno da Stoneman Douglas High School, entrou na escola com um rifle e disparou contra professores e estudantes. O aluno fez tudo sozinho matando 17 pessoas e deixando 14 feridos. Ele foi preso e afirmou que cometeu o ataque, pois ouvia vozes em sua cabeça o explicando tudo, ele também se demonstrou arrependido. De acordo com pesquisas feitas sobre o jovem descobriram que ele nunca foi uma pessoa muito fácil de lidar, pois era uma pessoa bastante problemática, ele já tinha sido expulso da escola por motivos disciplinares e não costumava seguir as regras.

Newtown

Em 2012 um jovem, mata sua mãe e vai em direção a uma escola primária com duas pistolas e um rifle, chegando na escola ele invade atirando em um portão de vidro entrando em duas salas e matando 20 crianças e seis adultos e logo após comete suicídio.

De acordo com estudos o jovem era obcecado por massacres e armas ele também tinha alguns problemas mentais então não se há um motivo concreto para o ataque.

Virginia

Esse massacre ocorreu em 2007 a universidade Virginia Tech foi palco de um dos maiores massacres já registrados em uma instituição nos Estados Unidos. Um estudante coreano matou 30 colegas e professores e depois se matou. Antes de o massacre ocorrer o estudante foi no alojamento e matou 2 pessoas, todos acreditaram que ele tinha fugido e deixaram que as aulas continuassem mas logo depois  massacre ocorreu. A escola foi acusada de negligencia por não avisar sobre o primeiro ataque e parar as aulas no mesmo instante.

O aluno gravou vídeos culpando a instituição pelo massacre que ele iria fazer.

Columbine

Era 1999 quando dois alunos invadiram a escola secundária Columbine nos EUA deixando 13 mortos e 21 feridos. Os estudantes invadiram a escola que estudavam na cidade de Littleton colorado atirando em alunos, professores e funcionários da instituição. O ataque durou cerca de uma hora envolvendo armas e bombas caseiras. Logo após o massacre os dois estudantes suicidaram. Os atiradores foram identificados e pesquisados um deles era um aluno normal, tímido, mas participativo que ajudava sempre na escola o outro já tinha um perfil mais psicopata era filho de piloto e se mudava bastante. De acordo com pesquisas feitas os dois não eram muito bem aceitos pelos colegas, há relatos que dizem que eram vitimas de bullying frequentemente. Esse foi é um dos ataques mais conhecidos em todo o mundo e vários dos citados a cima foram espelhados nele, pois foi através dele que o poder do ódio polo bullying foi demonstrado.

Soluções

Aqui vamos citar algumas possíveis “soluções” para os atentados:

Vamos começar pelas escolas, elas devem dar mais atenção para os alunos que entram em brigas frequentes e também nos menos “sociáveis“, sempre que um aluno fizer alguma piada que ofenda o outro em sala ele deve ser alertado sobre as consequências do bullying. Dessa forma, o professor deve sempre separar uma aula para falar da importância da igualdade.

O governo deve se manter alerta sobre a valorização da cultura bélica, pois quanto mais fácil for o acesso a armas mais pessoas tendem a se rebelar e cometer atrocidades.

Os pais devem sempre tentar manter o exemplo da boa conduta e do respeito e manter também a conversa dentro de casa para que se algo ocorrer ele seja avisado e possa de alguma forma ajudar seu filho.

A imprensa deve evitar retratar vídeos de ataque e o nome dos terroristas pois isso afeta a família de quem cometeu o crime e também dá a quem cometeu a atrocidade a fama que foi tanto desejada.

O mais certo a se fazer é integrar politicas que visem a educação em todo lugar com cultura de esporte, trabalho, saúde, pois dessa forma todos se integrarão e viverão em comunidade. Fazer com que a violência seja mais exposta e incentivar o uso de armas e ódio não é a solução. Vários países da Europa aderiram as politicas de educação e,  durante um longo prazo,  deu certo diminuindo até 80% da criminalidade.

Curiosidades

  • O distrito escolas do condato de Jefersson propôs a demolição da escola do ataque de Columbine, pois acreditam que após o massacre o prédio se tornou uma “fonte de inspiração” para pessoas que querem fazer o mesmo, assim acreditam que o melhor a se fazer é demolir a escola e coloca-lá mais para Oeste, fazendo um jardim onde ela ficava em homenagem aos mosrtos 
  • A deep web é uma rede de ódio em anonimato, onde as pessoas são preconceituosas e demonstram ódio de todas as formas possíveis, muitas pessoas começam a utiliza-la para achar amigos pois acham que não têm ninguém e esses amigos encorajam o individuo a cometer crimes como os ataques citados, uma rede de estrutura é muito importante pois se a pessoa se refugiar em um local onde só tenha coisas boas ela também vai ter a tendência a fazer coisas boas e a se socializar com pessoas que querem ajudar
  • Os jogos também são uma forma de se livrar da exclusão social, vários adolescentes se escondem da sociedade atrás dos jogos, eles ajudam a aprender várias coisas tanto boas quanto ruins, pessoas com tendência psicopata tendem a jogar e a acreditar que aquilo é a sua realidade, dessa forma podendo ser incentivadas a cometerem ataques (não, eu não estou dizendo que a culpa é dos jogos ok?), mas eles podem sim influenciar por serem violentos e por trazer amizades que podem também ser violentas para o jovem.

 Dicas Culturais :

https://www.submarino.com.br/produto/6568645

Escrito como um romance epistolar, Lionel Shriver estudou vários casos de massacres para construir a narrativa ficcional de ‘Precisamos falar sobre o Kevin’. Na história, a autora aborda um lado pouco discutido pela sociedade em casos como esses: Como fica a família dos assassinos?

No livro, o leitor conhece Eva, mãe de Kevin, personagem de 15 anos que mata 11 pessoas na escola em que estuda, e acompanha a guerra diária que a protagonista sofre pós-massacre.

https://gauchazh.clicrbs.com.br/cultura-e-lazer/artes/noticia/2019/03/filmes-musicas-e-documentarios-abordam-ataques-a-tiros-em-escolas-cjt7difb502xc01ujf152u6jg.html

Tiros em Columbine é um documentário que investiga a fascinação dos Americanos por Armas Inspirado na tragédia de Columbine o filme trata da história de dois jovens que atiram em dezenas de alunos.

Referências

https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/03/as-medidas-adotadas-nos-eua-para-combater-massacres-em-escolas.shtml

tab.uol.com.br

noticias.r7.com

www.midiamax.com.br

https://www.leiaja.com/cultura/2019/03/20/para-entender-tragedias-livros-que-falam-sobre-massacres/

g1.globo.com    

www.bbc.com  BBC

canalcienciascriminais.jusbrasil.com.br

https://www.dw.com/pt-br/cronologia-de-ataques-a-tiros-em-escolas-do-brasil/a-47902945

Massacres em escolas

https://meiahora.ig.com.br/geral/policia/2019/03/5626305-atentado-em-realengo-foi-o-primeiro-massacre-em-escolas-brasileiras.html

No último encontro do projeto atualidades o assunto tratado foi o terrorismo em escolas, mas para que possamos explicar todo o contexto pra vocês primeiro precisamos definir “o que é terrorismo”? Aposto que veio a cabeça da maioria de vocês pessoas jogando bombas e explodindo algum lugar. Pois é, o terrorismo é o ato de querer causar terror em certa população ou até mesmo no governo assim chamando a atenção de toda a população. Temos diversos tipos de terrorismos existentes, mas como não dá para citar todos citarei os mais conhecidos:

Começaremos pelo indiscriminado que é quando os terroristas não tem um alvo em específico. Seu objetivo é atacar a população em um local público depositando bombas e causando grandes estragos e dessa forma chamando a atenção do governo.

 O segundo tipo é o seletivo que, como o nome já diz, é quando os terroristas tem um objetivo especifico e alvos determinados.  Nestes casos, os terroristas podem utilizar de chantagens, torturas, terror psicológico e diversas coisas que afetem a vitima de forma mais cruel possível. Podemos citar como exemplo grupos que propagam o racismo e a homofobia como os grupos neonazistas.

 Temos também o de estado que é o terrorismo feito pelo governo, tentando aplicar de forma brutal a ordem. Como exemplo, podemos citar regimes totalitários como o nazismo (que ocorreu na Alemanha).

 Como último exemplo de terrorismo citaremos o comunal que é quando a população civil acaba por intervir contra outras sem o consenso do estado e das autoridades. Como exemplo, temos as manifestações desordenadas como a que ocorreu no Brasil para diminuição da tarifa do ônibus, que fez com que a policia matasse mais de 13 pessoas no país com bombas.

https://super.abril.com.br/blog/superlistas/8-massacres-em-escolas-que-chocaram-o-mundo/

https://super.abril.com.br/blog/superlistas/8-massacres-em-escolas-que-chocaram-o-mundo/

Agora, vamos manter o foco no terrorismo nas escolas ok?

Por que as escolas?

Como eu citei acima, o terrorismo trás consigo a ideia de causar terror na população. As escolas são, para grande parte da população civil sinônimo de segurança, pois é o local onde pais confiam seus filhos durante grande parte do dia, na tentativa de protegê-los da violência externa (e educá-los, é claro). Quando uma escola é atacada toda a população fica apavorada. E não é para menos, vemos a escola como um símbolo de segurança e paz. Ver esse conceito ser quebrado (ainda mais com tal ato) nos causa, no mínimo, espanto.

Sabemos que as escolas de países menos desenvolvidos não têm nem mesmo um plano de evacuação em caso de incêndio ou algo desse tipo. É bem comum ver em escolas de países desenvolvidos planos de evacuação em caso de incêndio, mas nos países subdesenvolvidos isso não ocorre, pois a maior parte das instituições não têm estrutura e o governo não têm verba para fazer esses planos sendo assim necessário comprar extintores, abrir novas portas e reestruturar a instituição. Para que isso mude é preciso que a população seja conscientizada sobre a importância desses planos e comece a cobrar mais do governo para que eles sejam executados.

Os ataques normalmente ocorrem em escolas pela questão das “ligações”. Muitas vezes os terroristas que atacam escolas têm um histórico de Bullying, agressões e desentendimentos dentro da instituição. Desta forma, atacam como forma de vingança.  A maioria dos terroristas se espelharam em ataques anteriores e bem famosos. Como exemplo, podemos citar os atiradores da escola de Suzano que, segundo a polícia, se espelharam no ataque de Columbine.

Curiosidades

  • Algumas pessoas acreditam que armar os professores seja a solução para diminuir os atentados, mas de acordo com pesquisas feitas nós EUA os professores não querem isso por serem profissionais da educação e acreditarem que não se dão bem com armas pois até policiais armados as vezes eram tiros, e se um professor matar um aluno a sua culpa vai ser levada para sempre pois sua função é educar e não tirar vidas.
https://www.resistencia.cc/professores-armados-nas-salas-de-aula-a-solucao-de-donald-trump-para-a-violencia-nas-escolas/

https://www.resistencia.cc/professores-armados-nas-salas-de-aula-a-solucao-de-donald-trump-para-a-violencia-nas-escolas/
  • O ataque de Columbine é considerado referência pois várias pessoas se espelham nos dois garotos que sofriam bullyng e se viraram contra isso pois foram “corajosos” e mataram as pessoas que abusavam deles, o ataque viralizou tanto na época que até hoje grande parte da população ouve falar dele. Foram registrados mais de 74 casos tentando copiar Columbine.

https://www.em.com.br/app/noticia/nacional/2019/03/13/interna_nacional,1037559/atentado-de-suzano-traz-de-volta-a-memoria-outros-massacres-em-escolas.shtml

Dica Cultural

I’m Not Ashamed: The Rachel Joy Scott Columbine Story

A história de fatos e vida de Rachel Joy Scott, a primeira estudante assassinada por Dylan Klebold e por Eric Harris no massacre de Columbine em 1999 nos EUA.

https://pt.wikipedia.org/wiki/I%27m_Not_Ashamed

Referências :

Blog : Nova Escola

https://novaescola.org.br/conteudo/16082/por-que-a-escola-e-escolhida-como-alvo-de-massacres

Blog: Gazeta do Povo

https://www.gazetadopovo.com.br/educacao/o-que-massacres-em-escolas-tem-em-comum-b4bkjzz32rx3wod77h5xa0ud0/

Blog: Super Interessante

Blog: Brasil Escola

https://brasilescola.uol.com.br/historia/terrorismo.htm

Quem somos

Somos uma equipe formada por alunos e professores do IFMG- SJE (Instituto Federal de Minas Gerais – Campus São João Evangelista). Criamos esse projeto para te ajudar a encontrar informações de qualidade, sem fake news! O projeto começou com reuniões mensais no próprio Campus, onde os professores e um convidado especial explanavam sobre o tema. Hoje, um ano depois, estamos contando com nossa página no Facebook e Instagram para ajudar não apenas a população da nossa região mas de todo Brasil!

Temos como objetivo:

Te ajudar a compreender nosso mundo atual.

Sabe aquelas noticias que vivem passando na TV e/ou nas rádios mas você nunca entendeu? Pois é, vamos te ajudar a compreender. Você agora deve estar se perguntando como isso será possível não é? Muito simples!

  1. Nosso material é super simples e objetivo, sem rodeios para você não se perder no assunto.
  2. Disponibilizamos fontes para pesquisa, pra você ficar ainda mais atualizado.
  3. Estamos sempre abertos a dúvidas, se tiver alguma pergunta, não hesite em nos mandar mensagem! Fique a vontade para nos contatar, estamos aqui para te ajudar!

Te ajudar a arrebentar no ENEM e vestibulares
Isso mesmo! Grande parte dos vestibulares abordam questões atuais. A cada mês haverá um tema diferente e explicaremos tudo sobre ele pra você! Aqui você encontrará:

  • Dicas de professores: dicas de como usar os temas propostos na redação do Enem para você ficar ainda melhor!
  • Dicas de convidados: todo mês teremos um convidado especial que te ajudará a entender melhor o tema.
  • Matérias mais aprofundadas: com todas as informações necessárias para que você faça uma excelente prova!

Gostou? Então fique com a gente que virão muitas novidades por aí!