Igualdade De Gênero e Feminismo

Histórico das conquistas femininas

https://uxdesign.blog.br/empatia-e-feminismo-b8e94b17c2ba

Nosso assunto da vez é o feminismo e suas conquistas. Talvez alguém aí se pergunte, por que escolhemos esse tema? Atualmente as pessoas têm desvalorizado ou confundido muito o sentido do feminismo fazendo assim com que esse movimento tão importante se pareça com algo banal mas,  depois desse post, nós do Projeto Atualidades esperamos que vocês entendam que foi o feminismo que deu vez as mulheres, trouxe voz e a noção de liberdade que as mulheres têm hoje em dia.

O feminismo existe já a muitos séculos, tendo vários movimentos importantes que deram vez as mulheres na história. Cada movimento feminista trouxe consigo a ideia de igualdade de gênero pois isso é o que o feminismo prega.

A chamada primeira onda do feminismo aconteceu a partir das últimas décadas do século XIX, quando as mulheres, primeiramente da Inglaterra organizaram-se para lutar por seus direitos, sendo que o primeiro a ser popularizado foi o direito ao voto. As Sufragetes, como ficaram conhecidas fizeram várias manifestações em Londres e foram presas diversas vezes acredita que elas fizeram ate mesmo greves de fome? Pois é. O direito ao voto foi conquistado no Reino Unido em 1918.

https://uxdesign.blog.br/empatia-e-feminismo-b8e94b17c2ba

No Brasil as sufragetes foram lideradas por Bertha Lutz, que foi uma luz para o feminismo no país.

Principais conquistas femininas no Brasil

https://blogueirasfeministas.com/2017/09/13/jogo-digital-educativo-e-feminista-lutas-e-conquistas-femininas/

1827

Meninas são liberadas para frequentarem escolas e colégio, essa foi a primeira grande conquista feminista pois, as meninas eram proibidas de estudarem além do primário simplesmente por não serem meninos, imaginem hoje uma pessoa não poder estudar por causa do seu sexo parece algo absurdo não é mesmo? Mas era algo bastante comum na época, pois a sociedade tinha o costume de acreditar que as mulheres eram mais frágeis e menos capazes.

1832

É publicado “Direito das mulheres e injustiça dos homens”, de Nísia Floresta O livro é considerado o “fundador” do feminismo Brasileiro . Na obra a autora reforça a capacidade da mulher e o quanto elas são importantes e merecem o direito de igualdade de gênero pois também são espertas e capazes de exercer diversas funções pois o sexo não influência na capacidade intelectual de cada ser.

https://pt.scribd.com/document/371946538/Floresta-Nisia-Direitos-das-Mulheres-e-Injustica-dos-Homens-capa-pdf

1852

O primeiro Jornal feminino é criado, totalmente editado por mulheres e direcionado a elas, surgiu o Jornal das Senhoras que reafirmam o poder feminino e mostram que as mulheres não deveriam aprender simplesmente a tocar piano, bordado e costura pois elas podem conquistar o mundo. Depois disso outros jornais femininos como O Bello Sexo e O sexo Feminino também apareceram.

https://www.slideshare.net/arquimedesferreira/o-jornal-das-senhoras-1852

1879

Mulheres podem ser aceitas em faculdades,no dia 19 de abril, um decreto de lei permitiu que mulheres pudessem cursar o ensino superior, assim como já acontecia com os homens. Apesar de estarem dentro da legalidade, muitas enfrentaram preconceito ao ingressar em universidades.

1887

 Surge a primeira médica brasileira; Rita Lobato Freitas foi a primeira mulher a se formar em medicina no Brasil, pela Faculdade de Medicina da Bahia, além de ser a segunda na América Latina. Mesmo com a lei permitindo o ingresso de mulheres na faculdade, Rita sofreu muito preconceito de pessoas que ainda achavam que estudar era uma rebeldia, “coisa de menino”. Sua tese na conclusão do curso também foi centrada no feminino: a operação cesariana. Ela foi espelho para diversas mulheres que pensavam em desistir por causa do sexo.

https://www.traca.com.br/livro/743748/

1910

É criado o Partido Republicano Feminino, o partido reivindicava o direto ao voto e à emancipação feminina. Mais tarde, em 1917, as lideranças desse partido organizaram uma marcha com a presença de noventa mulheres. Isso foi um enorme avanço pois uma mulher na política era algo bastante incomum e que mostrou o empoderamento feminino.

1921

Ocorre o primeiro jogo de futebol entre mulheres, a primeira partida de futebol feminino aconteceu em 1921, entre mulheres dos bairros de Tremembé e Cantareira, na zona norte de São Paulo. O jogo chegou a ser noticiado por jornais impressos da época como uma coisa “curiosa e cômica”. O primeiro time só surgiu em 1958, com o nome de Araguari Atlético Clube, em Minas Gerais, o futebol era considerado um esporte masculino por envolver força física assim quando mulheres começaram a jogar foi uma grande surpresa para a sociedade.

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/06/12/deportes/1560358431_699052.html

1928

Primeira prefeita brasileira é eleita, quando ainda nem existia o voto feminino, Alzira Soriano de Souza abriu espaço para as mulheres na política. Ela foi a primeira mulher a assumir o governo de uma cidade não apenas no Brasil, mas na América Latina inteira.

1932

 Maria Lenk se torna a primeira mulher a participar das Olimpíadas. A primeira participação do Brasil nos Jogos Olímpicos aconteceu em 1920, mas apenas 12 anos depois, em 1932, houve uma atleta feminina na equipe: a nadadora Maria Lenk, isso demonstra o quanto o país demorou para aceitar a participação feminina.

1934

Mulheres conquistam o direito de votar; Somente em 1934 o voto feminino passa a ser regulamentado no país, para mulheres de todas as rendas, origens ou estado civil. Dois anos antes, em 1932, solteiras e viúvas com renda própria e mulheres casadas com permissão do marido podiam votar.


Bertha Lutz: responsável pela organização do movimento sufragista no Brasil e pelas ações políticas que resultaram no direto de voto feminino. Assumiu uma cadeira na Câmara Federal e lutou por mais igualdade de direitos políticos às mulheres.
Miêtta Santiago: foi a primeira mulher a exercer plenamente seus direitos políticos, após perceber que a proibição do voto feminino contrariava um artigo da Constituição.

1962

É criado o Estatuto da Mulher Casada. Em 27 de agosto, a Lei nº 4.212/1962 permitiu que mulheres casadas não precisassem mais da autorização do marido para trabalhar.Hoje para nós sera bem estranho né? Imagina ter que pedir seu companheiro para trabalhar e ser livre. A partir de então, elas também passariam a ter direito à herança e a chance de pedir a guarda dos filhos em casos de separação. No mesmo ano, a pílula anticoncepcional chegou ao Brasil. Apesar de ser um método contraceptivo bastante polêmico, por mexer com hormônios, não dá para negar que o medicamento trouxe autonomia à mulher e iniciou uma discussão importantíssima sobre a liberdade sexual feminina pois foi a partir daí que as mulheres puderam ter maior liberdade sobre a escolha de ter ou não filhos.

1977

Lei do Divórcio é aprovada. No dia 26 de dezembro, a Lei nº 6.515 foi sancionada e iniciou uma discussão sobre a separação. Vale lembrar que mulheres desquitadas eram vistas com maus olhos por muitas pessoas, inclusive por outras mulheres, que preferiam viver casamentos infelizes e abusivos a pedirem o divórcio. Mesmo que a lei tenha mudado, na prática, o julgamento continuou. Até hoje muita gente acha “feio” quando uma mulher se separa, mas não julga os homens divorciados. Pois o machismo ainda está impregnado na sociedade não é mesmo?
.

1979

Mulheres são autorizadas a praticar qualquer esporte. Parece estranho pensar que, antes disso, as mulheres não podiam praticar esportes “de menino”. Mas daí lembramos que ainda hoje atletas sofrem preconceito em muitas modalidades e tudo faz sentido. Em 1937, o Estado Novo de Getúlio Vargas decretou que mulheres só podiam praticar esportes que condissessem com suas condições físicas. Lutas, futebol, polo, beisebol e halterofilismo estavam expressamente proibidos. Em 1979, quatro mulheres se inscreveram com nomes masculinos no Campeonato Sul Americano de Judô e o Brasil conquistou o título devido justamente aos pontos dessas atletas. Foi aí que o Governo decidiu revogar a Lei.

1980

Forças Armadas passa a aceitar também mulheres. Mais uma profissão que até então era vista como masculina. Dois anos depois, em 1982, a Força Aérea passou a aceitar mulheres e, em 1992, foi a vez do Exército Brasileiro.

1985

Surge a primeira Delegacia da Mulher; A DEAM (Delegacia de Atendimento Especializado à Mulher ) surge em São Paulo e, logo depois, outras unidades começam a ser implantadas em outros estados. Essas unidades especializadas da Polícia Civil realizam, essencialmente, ações de proteção e investigação dos crimes de violência doméstica e violência sexual contra as mulheres.

1988

Ocorre o primeiro encontro nacional de mulheres negras
Estima-se que 450 negras reuniram-se para promover debates e seminários em vários estados brasileiros, a fim de conscientizar a população e trazer à tona questões do feminismo negro. No mesmo ano, aconteceu a mobilização que ficou conhecida como Lobby do Batom. A questão em pauta era a igualdade formal de direitos entre mulheres e homens na Constituição Federal do Brasil. #NãoTiraOBatomVermelho

2002

“Falta de virgindade” deixa de ser crime
Louco pensar que foi só nesse ano que o Código Civil retirou o artigo que dizia que um homem podia pedir a anulação do casamento caso descobrisse que a esposa não era virgem. Até então, a virgindade feminina, ou a falta dela, no caso, era tratada como crime e uma justificativa plausível para divórcios sendo que para o homem isso nunca ocorreu. Foi também em 2002 que aconteceu o 1º Encontro das Mulheres Indígenas da Amazônia Brasileira em Manaus. O principal objetivo da mobilização era discutir os direitos das mulheres indígenas e promover a maior inserção delas na sociedade. O Departamento de Mulheres Indígenas, que defende os direitos e interesse dessa população feminina, foi criado durante o encontro.

2006

É criada a Lei Maria da Penha
Definitivamente, essa é uma das conquistas mais importantes para as mulheres brasileiras. A Lei nº 11.340 foi sancionada para combater a violência contra a mulher.
Maria da Penha: a farmacêutica, que dá nome à lei, precisou sofrer duas tentativas de homicídio e lutar durante quase 20 anos para, enfim, conseguir colocar seu marido criminoso na cadeia. Foi em 1983 que ela sofreu o primeiro ataque de Marco, que atirou em Maria. Apenas 23 anos depois uma lei de proteção foi criada.

2010

É eleita a primeira mulher Presidente do Brasil
A eleição de Dilma Rousseff, no dia 31 de outubro, e a convocação de nove mulheres para os ministérios do país marcou história na política brasileira. por ser mulher Dilma sofreu muito ao se candidatar como presidenta e mesmo quando pegou o cargo continuou sofrendo preconceitos e sendo julgada por acreditarem que ela era “menos capaz” no Brasil há um documentário chamado “democracia em vertigem” que retrata essa parte e mostra que Dilma pode ter sofrido impeachment por ser mulher.

https://twitter.com/dilmabr

2011

Marcha das Vadias chega ao Brasil
O movimento feminista conhecido internacionalmente chega ao país e é marcado por manifestações e luta das mulheres por mais direitos, respeito e contra o feminicídio, em São Paulo. Ela foi o estopim para diversos protestos organizados que aconteceriam nos anos seguintes.

http://www.justificando.com/2018/09/03/manifestante-da-marcha-das-vadias-condenada-por-ato-obsceno-tem-acesso-ao-stf-negado/

2013

Kathryn Bigelow é a 1ª mulher a ganhar Oscar de Melhor Direção; A cineasta, que levou o prêmio pelo filme Guerra ao Terror, foi apenas a 4ª mulher na história da premiação a ser indicada nessa categoria.

2015

É aprovada a Lei do Feminicídio; No dia 9 de março, a Lei nº 13.104 finalmente classifica o feminicídio como crime de homicídio. Vale lembrar que, três anos após a criação da lei, o número de casos de mulheres mortas no Brasil só cresce e as garotas negras ainda são as maiores vítimas. Entretanto, é inegável que a Lei do Feminicídio representa uma grande conquista das mulheres e para as mulheres na busca por direitos.

2016:

Viola Davis é a primeira mulher negra a ganhar um Emmy; Em discurso icônico de momento história, a atriz e produtora disse que tinha sempre a sensação de tentar, tentar, mas nunca alcançar as mulheres brancas, principalmente no meio cinematográfico. “Na minha mente, eu vejo uma linha. E depois dessa linha, eu vejo campos verdes e lindas flores e bonitas mulheres brancas com seus braços estendidos em minha direção, para além dessa linha. Mas eu não sei como alcançá-las. Eu não sei como atravessar a linha(…) Me deixem dizer algo: a única coisa que separa mulheres negras de quaisquer outras mulheres é a oportunidade”, falou.

2018

Pessoas trans podem alterar seus nomes indo apenas ao cartório; No dia 1º de março, o STF (Supremo Tribunal Federal) aprovou que transexuais e transgêneros alterassem o nome biológico e o gênero indo apenas ao cartório, sem precisar mostrar laudos médicos, comprovações de cirurgias ou terapias hormonais.

2019:

Primeira jornalista negra a ocupar a bancada do Jornal Nacional; No dia 16 de fevereiro de 2019, Maria Júlia Coutinho se tornou a primeira mulher negra a integrar o time de apresentadoras do maior jornal da televisão brasileira, fazendo parte do rodízio de jornalistas em finais de semana e feriados.

2019

Primeiras mulheres negras a receberem o Oscar nas categorias de Melhor Figurino e Melhor Design de Produção
Ruth E. Carter e Hannah Beachler fizeram história na cerimônia do Oscar 2019 ao receberem os prêmios de Melhor Figurino e Melhor Design de Produção, respectivamente. Ambos vieram através de seus trabalhos no filme Pantera Negra.

Foram muitos anos de luta e reivindicações. Houveram mortes e torturas para que todos os direitos das mulheres fossem exercidos hoje. Então queremos deixar bem claro que o feminismo foi crucial para que mulheres pudessem conquistar seus direitos básicos como, por exemplo,  ter o direito a estudar, trabalhar,  jogar futebol, liderar projetos e empresas ou escrever sobre temas abertamente em um blog. E tenho a felicidade de dizer que todas as matérias desse blog são feitas por meninas.  Apesar de termos tido avanços ( o que é maravilhoso),  o Brasil ainda é um país machista. Mas todos (homens e mulheres) podem ajudar a reverter esse cenário. Pois, como disse Emma Watson,  não podemos mudar o mundo apenas com a metade dele. Por isso, te convidamos a se inteirar sobre o tema. Não importa a sua cor, status ou orientação sexual, se você quiser ajudar será bem vindo. Todos em prol da equidade, lutando por um mundo melhor.

Referências :

Guia do estudante: https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/atualidades-vestibular/como-as-mulheres-conseguiram-o-direito-ao-voto/

Capricho: https://capricho.abril.com.br/vida-real/a-linha-do-tempo-do-feminismo-no-brasil-de-1827-a-2019/

Migalhas: https://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI274136,51045-Cidadania+da+mulher+a+conquista+historica+do+voto+feminino+no+Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s